segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

Dar amor, para receber amor.

Eu sempre digo que pessoas são seres muito engraçados e esquisitos. Não entendo porque aprendemos a dar valor só quando perdemos. Por que não valorizar enquanto está tudo bem? Por que não se doar de corpo de alma? Pra que guardar o que se sente com medo de que a outra pessoa se acostume mal? Não, eu não entendo. E não economizo meus sentimentos. Ninguém deveria se acostumar mal com excesso de carinhos, pelo contrário, deveria era esbanjar ainda mais. Não compreendo como tem gente que prefere ser maltratada. Que dá patadas esperando receber beijos. Não é assim. Amor a gente retribui com amor. Ninguém tem uma quantidade limitada desse sentimento. Todo mundo tem de sobra! É, eu acredito e sempre vou acreditar no amor. Mesmo que eu quebre a cara mais algumas vezes por aí.
Enfim...

Um comentário:

Samuel Quintans disse...

O amor é assim!
De graça
e se multiplica em si mesmo!
Amor é igual a cartola de mágico:
"Quanto mais lenços ele tira lá de dentro, mais lenços tem!"

Que bom que sua cartola tá cheia!