sábado, 28 de fevereiro de 2009

Pensando cá com meus botões...

Hoje não estou num dos meus melhores dias. Talvez hoje eu não consiga escrever aqui nada bonito ou otimista. Eu até poderia tentar, sabe?! Mas qualquer coisinha bonitinha e animadora que eu escreva aqui soaria falso ou hipócrita. E eu posso ser muita coisa, mas hipocrisia definitivamente não faz parte da minha imensa lista de defeitos.
Acho muito engraçado como as pessoas gostam de apontar os defeitos alheios. Acho mais curioso ainda o prazer que elas sentem em machucar alguém que já está fragilizado e que não tem condições de se defender como se deve. Me sinto triste, especialmente porque eu sempre deposito minhas esperanças nas pessoas erradas. Eu tenho tentado não perder minha fé nas pessoas e em suas intenções, mas confesso que a vida tem se mostrado hostil para mim. Cada dia eu aprendo uma coisa nova, cada dia eu percebo que é cada um por si. Ninguém está preocupado com nada além do que é fácil para si mesmo. E sabe o que é fácil? JULGAR. Os problemas e as dificuldades alheias são apenas problemas e dificuldades alheias. Não me lembro mais da última vez em que alguém me deu a mão sem que eu ficasse devendo alguma coisa depois. Não me lembro mais de alguma amizade que tenha sido me oferecida, apenas pelo prazer da amizade. Devo ter feito isso muitas vezes também... não sei. Talvez tudo isso seja um círculo vicioso. Quem sabe?! Certo e errado são questões de pontos de vistas.
Essa semana terminei de ler Chobits.Resumindo bem para vocês, conta a história de Hideki Motosuwa que é um jovem do interior que se muda para Tóquio para tentar entrar na universidade. Lá ele se depara com uma grande tecnologia do mundo moderno, os chamados persocons. Estes, por sua vez, podem assumir diversas formas, inclusive a humana. Por sorte, Motosuwa acaba por encontrar uma no lixo. Como são muito caros, Hideki a leva a sua casa, para a surpresa de todos é uma belíssima persocon, a quem ele dá o nome de Chi. O mistério da trama gira em torno dela, que esconde um passado que nem ela própria sabe e acompanhamos sua busca pela "pessoa só para você".
Então, a Chi procura alguém que goste dela, simplesmente por ela ser a Chi. Alguém que encontre aquilo que ela possa fazer por ela ser ela e aquilo que não possa fazer por ela ser ela. E espera que esse alguém encontre isso e que depois passe a gostar dela por ela ser ela mesma. Esse mangá é fantástico e a história de uma delicadeza incrível.
A verdade é que todos nós buscamos alguém que nos ame por aquilo que podemos fazer e pelo que não podemos fazer. Alguém que nos ame pelo que somos. Com nossos defeitos e qualidades. Não sei... será que existe um amor assim? Um amor que não nos deixe julgar?
Enfim...

2 comentários:

Luciano disse...

gostei do post que vc fez helen noemi quintans eu te amo minha bonekinha voce eh a coisa mais linda que existe meu amor

Sandy disse...

Helen Quintans, tem meu parentesco e minha amizade. E não me deve nada por isso!
Não fica triste não.