segunda-feira, 2 de março de 2009

Ah, o amor...

O amor verdadeiro é livre, não aprisiona. Não podemos possuir aquele que amamos. Nem nossos filhos são nossos, o que dirá um homem ou uma mulher. As pessoas são livres, livres para amar e escolher quem quer amar.O amor que exige exclusão e posse não é amor. O amor possessivo amarra, impede o crescimento, enquanto que o amor verdadeiro é a força, é o impulso que faz o outro crescer. O amor é uma soma para que cada um possa ser mais ele mesmo, ele não existe para aliviar a dor e nem tão pouco para resolver necessidades, carências e interesses do outro. O amor verdadeiro, maduro, é livre, é incondicional, sabe ceder e perder com serenidade para o bem da pessoa amada; sabe viver quando tem o bem e também quando não tem; sabe dialogar e chegar a conclusões maduras e sensatas. O amor não nasce pronto, de uma vez...Tem que haver vibração, tem que ser harmônico. Amar alguém é comprometer-se... Como um amigo, companheiro, nas horas felizes e tristes, é ser honesto, sincero, confiante, verdadeiro em palavras e atitudes. O amor é como uma rosa, mas para que essa rosa exista, é preciso que existam também espinhos. E mesmo assim, o amor ainda é a maior força que existe em nós, é só o amor que nos transforma, que nos amadurece. Se não se aceitarmos de coração aberto à dinâmica transformadora do amor estaremos definitivamente negando a crescer e permanecer sempre infantil. Não importa quem você ama ou como você ama.
Enfim...

Um comentário:

Luciano disse...

eu te amo ...e sei que vc me ama....
espero que juntos possamos crescer mesmo...
para que a gente consiga ter um futuro perfeito....como estamos planejando

te amo bebe