quarta-feira, 10 de outubro de 2012

Pequena.

Hoje passei o dia na cama. Depois de tanta correria, tanto sentimento, meu corpo sucumbiu e eu caí.

"Deve ser virose." "Será que é gripe?" " Acho que você está com preguiça, isso sim!" Antes fosse.

O que eu sinto não é físico. Vai ver meu coração pegou uma virose e minha alma está gripada.
Nem sei direito aonde dói. A forma como meu corpo reage é chorando. E eu choro, choro, choro sem saber direito o porquê.

É por mim? Por ele? Não sei.

Meu estômago resolveu expulsar todas as borboletas que outrora voavam por aqui. Minhas pernas se recusaram a me levar  a algum jardim. Meus braços não tiveram força pra abraçar ninguém.

Tentei treinar meus 3 únicos acordes. O violão era pesado demais. Tentei cantar uma canção, dessas bobinhas pra me animar.  Me faltou o ar.
O dia estava lindo lá fora, mas o sol não entrou no meu quarto. E deitada na minha cama, imaginei todas as pessoas indo pra lá e pra cá. Vivendo. Fazendo suas coisas. Se encontrando. Se apaixonando.
Imaginei como seria se eu nunca tivesse existido. Faço alguma diferença? Mudo alguma coisa?
Com meu corpo fraquinho, hoje me senti pequena. Bem menor do que meu um metro e sessenta.

Enfim...


 

2 comentários:

Dalila Hasmann disse...

Bravooooo!!!! Bravíssimo!
Aplaudiria em pé se pudesses me ver!
Transborda sentimento, derramou até aqui! Contagiante!
Achei o máximo. Meus parabéns! \o/

Helen Quintans disse...

Obrigada, Dalila!

É muito gostoso quando alguém gosta do que eu escrevo. É como se, no meio de tanta gente que só escuta, alguém OUVISSE o que eu tenho a dizer, sabe?